Pular navegação

Recomendações de usabilidade de Schneidermann

Ajuda
A Árvore do Conhecimento funciona como um Wiki. Se você quiser acrescentar ou corrigir uma informação, utilize as abas superiores. É preciso estar logado para participar.
Conhecimento
Prestadores de Serviços
Nenhum ainda...
Nenhum ainda...
Site License
Creative Commons
Creative Commons

Recomendações de usabilidade de Schneidermann

Tradução livre de Recomendações de usabilidade apresentadas por Schneidermann (2005)

SHNEIDERMAN, B. Designing the User Interface; Strategies for Effective Human- Computer Interaction. 4. ed. Addison Wesley. 2005.

Apresentação: Uso das oito “golden rules” (regras de ouro) da interface do design. Esta seção foca a atenção nos oito princípios chamados “golden rules” (regras de ouro), que são aplicáveis na maior parte dos sistemas interativos. Estes princípios, obtidos por experiência e refinados por mais de duas décadas, precisa de validação e ajustes para projetos específicos. Nenhuma lista como esta pode ser completa, mas ser for bem aceita pode ser um guia útil para estudantes e designers.

1. Esforço por coerência

Esta é a regra mais freqüentemente violada, mas seguí-la pode ser difícil, pois existem muitas formas de coerência. As seqüências de coerência de ação devem ser requeridas em situações similares, terminologias idênticas devem ser usadas em prompts, menus, e janelas de ajuda; e coerência de cores, layout, capitalização, fontes, etc devem ser empregadas por todas as partes. Exceções como confirmações solicitadas do comando de delete ou não repetição de senha devem ser compreensivas e limitadas em número.

2. Atendimento da usabilidade universal

Reconhecer as necessidades de diversos usuários e projetar com flexibilidade, facilitando transformação do conteúdo. Diferenças de principiantes a experientes, faixas etárias, incapacidades e diversidade tecnológica enriquecem a gama de requerimentos que guiam o projeto. Adicionando características para principiantes, como explicações, e características para experientes, como atalhos e faster pacing podem enriquecer a interface e melhorar a qualidade do sistema.

3. Oferecer feedback

Para qualquer ação do usuário, deve existir um sistema de feedback. Para ações freqüentes e menores, a resposta pode ser simples, enquanto que para ações menos freqüentes e maiores, a reposta deve ser mais completa. Apresentações visuais de objetos de interesse proporcionam um ambiente conveniente para mudanças explícitas.

4. Diálogos que indiquem o término da ação

Seqüências de ações devem ser organizadas em grupos com começo meio e fim. Informações de feedback ao término de um grupo de ações dão aos usuários satisfação de realização, sensação de alívio, o sinal para preparar para o próximo grupo de ações. Por exemplo, sites de comercio eletrônico deslocam seus usuários da seleção de produtos para a verificação ao final com a confirmação clara da página que a operação foi completada.

5. Prevenção de erros

Tanto quanto possível projete o sistema da forma com que o usuário não cometa sérios erros, por exemplo, desabilite (em cinza/não visível) itens de um menu que não estejam apropriados e não permita a entrada de dados alfanuméricos em campos numéricos. Se o usuário comete um erro, a interface deve detectar o erro e oferecer, de forma simples, maneiras construtivas e específicas para recuperar a ação. Por exemplo, o usuário não deve digitar novamente todos os dados de um formulário se caso for inserido algum dado incorretamente, e sim deve ser guiado para corrigir somente o dado incorreto. Ações incorretas devem deixar o sistema inalterado ou então a interface deve oferecer instruções sobre como restaurar o status.

6. Fácil permissão para reverter ações

Tanto quanto possível, as ações devem ser reversíveis. Esta característica alivia o usuário de ansiedade desde que os usuários saibam que os erros podem ser desfeitos, isto encoraja a exploração de opções que não lhe são familiares. As unidades de reversão podem ser uma ação única, uma entrada de dado, ou um grupo completo de ações, tanto como a entrada de nome e endereço.

7. Suporte interno de controle

Usuários muito experientes querem ter a sensação de que estão no controle da interface e que a interface responda as suas ações. Ações inesperadas da interface, seqüências tediosas entrada de dados, falta de habilidade ou dificuldade para obter informações necessárias e a falta de habilidade para alcançar as ações desejadas, todas contribuem para ansiedade e insatisfação do usuário. Gaines (1981) obteve parte deste princípio com a regra “avoid acausality” e com seu empenho em tornar os usuários os elementos que iniciam a ação, mais do que elementos que respondam às ações.

8. Reduzir a carga de curta memória

A limitação do ser humano em processar memórias de curta duração (a regra de “thumb” é que os humanos podem lembrar, em média, sete pedaços de informação) exige que a apresentação seja simples, páginas múltiplas sejam estáveis, a freqüência do movimento de janelas seja reduzida, e o tempo de treinamento suficiente seja designado códigos, ou seja, mnemônicos (associação de idéias) e seqüências de ações. Onde apropriado, acesso online para formulários command-syntax, abreviações, códigos e outras informações devem ser fornecidos.

Observações: Os princípios descritos devem ser interpretados, refinados, e estendidos para cada ambiente. Eles têm suas limitações, mas fornecem um bom ponto de partida para celulares, desktop e webdesigners. Os princípios apresentados visam o aumento de produtividade dos usuários por fornecer procedimentos simples de entradas de dados, displays fáceis de compreender, retorno rápido das respostas, aumento do sentimento de capacidade, domínio e controle sobre o sistema.

Precisa de ajuda?

Conhecimento

A Árvore do Conhecimento é um espaço para compartilhar e aprender sobre Design. Funciona como um wiki, ou seja, um texto colaborativo. Qualquer pessoa pode:

  • Adicionar novos Conhecimentos
  • Anexe arquivos em páginas para compartilha-los com outros.
  • Adicionar comentários e revisões
  • Arquivar conhecimentos que estão desatualizados ou incorretos