Pular navegação

Moeda social

Ajuda
Licença do Projeto
Todos os direitos reservados.
A Árvore do Conhecimento funciona como um Wiki. Se você quiser acrescentar ou corrigir uma informação, utilize as abas superiores. É preciso estar logado para participar.
Imagem Principal
Este projeto ainda não tem uma imagem principal definida.
Conhecimento
Prestadores de Serviços
Nenhum ainda...
Nenhum ainda...
Site License
Creative Commons Attribution 3.0 Brazil
Creative Commons Attribution

Moeda social

A ferramenta de moeda social permite criar uma economia solidária entre os participantes de um projeto.

  • Cada moeda tem um valor máximo e um valor mínimo para cada usuário. O objetivo desse limite é evitar a acumulação da moeda e o endividamento.
  • Cada transação envia uma quantidade de uma pessoa a outra. Quem envia diminui o saldo, quem recebe aumenta, até o limite.
  • Cada projeto tem um registro de transações feitas dentro do projeto. Os membros só podem enviar entre si, já os administradores podem escolher de quem para quem enviar.

O que é economia solidária

https://

Como criar uma moeda social

Ao criar um projeto nesta plataforma é possível selecionar um tipo determinado Banco Comunitário que traz habilitada a funcionalidade de moeda social e permite a associação de uma conta de usuário a um fundo comunitário. Caso queira habilitar a ferramenta para um projeto existente, entre em Configurações > Ferramentas Colaborativas > Moeda Social > Habilitar
 
Na funcionalidade de moeda social é possível definir um símbolo e um ícone a moeda bem como descrever sua origem e relação comunitária. Ao selecionar a sigla existem algumas configurações importantes, elas aparecem no box auxiliar, quando o cursor fica em cima do campo. Exemplos é a opção @minus para exibir valores negativos e @icon para exibir o ícone da moeda.
 
Existe um campo sobre regras de funcionamento da moeda social que permite descrever como a moeda opera.
 
Outra configuração importante é a definição de valores máximos e mínimos de acúmulo e dívida por indivíduo nesta economia o que permite evitar acúmulo e concentração de capital e também o endividamento demasiado por parte de algum integrante do sistema financeiro. Ao configurar uma moeda social é possível também definir se a mesma aceita números fracionados e como é o formato de exibição desta fração. 
 
É possível também definir os tipos de transações aceitas como doação, débito automático e pagamento com confirmação. A doação é quando um@ usuári@ repassa créditos diretamente para outr@ sem a necessidade deste pagamento estar relacionado a execução de uma tarefa (como uma prestação de serviço).
 
 
A opção de débito automático permite a cobrança de mensalidades e cobranças coletivas diretamente da conta d@s usuári@s. Esta ação é limitada aos administradores do sistema e a operações com a conta-banco.
 
A opção de pagamento com confirmação possibilita o crédito associado a uma tarefa executada no projeto. Através deste tipo de operação que a maioria das transações financeiras são operadas.
 
Configurando uma conta banco
Uma conta-banco possui uma diferença principal para uma conta de usuári@ regular que são seus limites de endividamento e acúmulo de créditos. Enquanto os valores para @ usuári@ comum são definidos pel@ administrador@ do projeto na parte de configurações da moeda social, o limite da conta banco equivale ao lastro da moeda social em circulação. 
 

 
Uma vez configurada a moeda é preciso então publicizar as atividades que podem ser remuneradas neste tipo de crédito solidário local.
Neste sentido a plataforma CORAIS disponibiliza a ferramenta de planilha que possibilita @ usuári@ montar uma tabela contendo o código da atividade (que identifica unicamente aquele determinado tipo de tarefa) seu nome, breve descrição, periodicidade de execução e valor em créditos sociais.
 
A mesma lógica se aplica a publicação das ofertas em moeda social, ou seja o que a pessoa com este crédito pode usufruir dentro desta economia local. Semelhante a tabela de demandas locais, a ferramenta adotada é a planilha eletrônica que possibilita cadastrar o código da oferta, titulo, breve descrição, valor unitário em moeda social e disponibilidade mensal do produto, serviço ou saber.
 
O cruzamento de ofertas e demandas em cada território pode gerar a oportunidade de identificarmos circuitos econômicos onde a demanda de um produtor local se encontra com a oferta do outro produtor. Quando existe uma moeda em circulação, é preciso estabelecer algum tipo de valor correspondente a este crédito que garanta sua credibilidade, seja o formato do mesmo digital ou real. No modelo de banco comunitário trabalhado na tecnologia das Produtoras Culturais Colaborativas, este valor representativo é denominado de lastro que equivale ao total de créditos possíveis em circulação. O lastro individual é calculado na capacidade de oferta mensal de um@ produtor@ em produtos, serviços e saberes. 
 
Desta forma se o coletivo tem capacidade de oferecer com qualidade um conjunto de serviços, produtos e saberes então o mesmo pode gerenciar este lastro para circular seu próprio crédito solidário. 
 
Um ponto importante ao se definir um crédito solidário é a sua relação com outras moedas existentes. Como os modelos trabalhados não permitem conversibilidade com a moeda corrente apenas entram nestes circuitos econômicos locais os produtores interessados nas ofertas existentes nesta restrita cadeia produtiva local. A soma de nov@s produtor@s e a diversificação do que é aceito neste tipo de crédito permite a ampliação do lastro financeiro deste crédito possibilitando então a gestão colaborativa da moeda social por um conjunto de produtor@s que garantam com suas ofertas públicas a credibilidade do crédito em circulação.
 
Para calcular o lastro coletivo de um crédito local que é a soma de quanto cada membro desta economia é publicamente capaz de aceitar por mês neste tipo de crédito, desta forma o modelo apresentado se baseia em um lastro dinâmico que se regula a cada mês com a atualização da oferta pública de seus atores econômicos. Para chegarmos a um lastro coletivo precisamos calcular o lastro individual de cada ator econômico. Este resultado compreende o total em créditos por mês de cada produto, serviço ou saber oferecido. 
 
Este modelo de cálculo não impede a oferta imediata em moeda social por nenhum@ produtor@ local, mas garante que o cálculo do lastro possua ainda como folga a oferta espontânea dos que estão iniciando na rede mas ainda não publicaram previamente sua oferta naquele mês. Entretanto como o modelo preve uma base de transações comum será preciso mesmo que não oferte publicamente que @ mesm@ possua uma conta e possa receber transações financeiras de outros membros da rede. 
 
Uma das formas de gerenciar um crédito solidário local é ativando a funcionalidade de Moeda Social em um projeto colaborativo da plataforma CORAIS. Este ambiente permite o gerenciamento coletivo de um crédito solidário onde o lastro coletivo pode ser organizado através de uma planilha contendo a tabela pública de ofertas de cada integrante econômico. Para incorporar sua oferta a dos integrantes da economia @ usuári@ precisa entrar no projeto e incluir a mesma na tabela de demandas local. 
 
O cálculo em preço aberto de um produto, serviço ou saber é importante para evitar distorções de preço ou excesso de valoração de um pedaço da cadeia, causando a concentração de renda ou a exploração do trabalho humano. O objetivo de valorar é garantir a sustentabilidade do processo e isso inclui, claro, o pagamento devido aos profissionais que estão prestando um determinado serviço ou repassando algum tipo de conhecimento. A questão principal é manter o preço aberto, ou seja exibir publicamente a composição do preço de um determinado produto ou serviço e porque um preço como este fica neste valor. Na composição de um preço temos 6 tipos importantes de vetores: Insumos e matéria-prima, Profissionais envolvidos, Equipamentos utilizados, Caixa Coletivo, Custo Administrativo, e Impostos (quando existir necessidade). Um modelo está disponível em licença livre na plataforma CORAIS (www.corais.org/colaborativape).
 

Criando contas para nov@s participant@s

Para começar a participar de um processo econômico é preciso que cada pessoa ou coletivo obtenha um registro junto ao banco comunitário. Ao adotar uma moeda social digital, o crédito está associado a uma conta em um banco de dados que gerencia o crédito fornecido. No CORAIS para participar de um processo econômico basta ter um cadastro na plataforma e solicitar participar do projeto no ambiente que gerencia as transações desta respectiva moeda social. Por exemplo, quem deseja pagar e receber na moeda social Tempo do Teatro Vila Velha precisa estar cadastrado no CORAIS e participar do projeto da Universidade Livre de Teatro Vila Velha (www.corais.org/livre). Cada usuári@ possui um código identificador único. Este código corresponde a sua conta bancária. Através deste código outr@s usuári@s podem direcionar doações e/ou pagamentos. Cada operação em uma conta é considerada uma transação financeira. Em um sistema transparente é importante que cada transação seja possível de ser rastreada, incluindo quem a realizou, IP de acesso, horário e data, para mais do que simplesmente reverter entender e tirar qualquer possível dúvida.
 

Transações financeiras: Pagamentos, Doações e Débito Automático

As transações financeiras dentro do modelo proposto podem ser de três tipos: Pagamento direto, doações entre usuári@s e débito automático de contas. A diferença entre os tipos é como a operação de débito/crédito acontece e quem é @ causador@ da ação. Este tipo de modelo é de crédito comunitário que permite que todos os membros operem a moeda social e tenham acesso a todas as transações realizadas na moeda social que el@ opera e participa. Em operações de pagamento quem realiza o pagamento é quem vai passar o valor para outra pessoa. Para completar a operação é preciso uma conta destino, uma atividade/motivo do pagamento e o valor que será pago. A doação é semelhante a anterior mas não existe necessidade de associar uma tarefa ou motivação, o valor é simplesmente compartilhado de um membro para outr@ do grupo. A última é a de débito automático que pode ser realizada com consentimento d@ participante e permite que determinados pagamentos que o mesmo assumiu com terceiros possam ser debitados de sua conta em seus respectivos prazos de pagamento. Cada operação destas deve ser tratada de maneira independente o que permite corrigir erros sem impactar em contas e saldos de terceiros.
 

Transparência de Saldo e Extrato Individual = Auditoria Coletiva

Em um modelo de gestão colaborativa de uma moeda social é fundamental a transparência entre todos @s envolvid@s e garantia de que o elo que @s une é o da confiança mútua e evitar que a falta de comunicação e acesso a informações contamine o crédito de um processo econômico local. Neste sentido, a proposta de transparência máxima proporciona ao grupo a possibilidade de saber o saldo em crédito solidário de qualquer participante, bem como o extrato de transações de qualquer membro, de forma a entender como aquele usuário constituiu determinado saldo em sua conta. 
 
Outra questão importante é o extrato geral da moeda, que recupera todas as transações financeiras feitas em moeda social por um determinado grupo econômico.
 

Crédito solidário e o enraizamento do crédito solidário no território

A capacidade de oferecer produtos a quem não pode pagar imediatamente em moeda social é que possibilita a inclusão social de diversas pessoas da comunidade em um processo econômico local. O crédito e o endividamento local entretanto deve ser monitorado pela gestão colaborativa da moeda e tentar evitar ter um número significativo de participantes [email protected] ou [email protected] de realizar transações financeiras porque atingiram o limite mínimo estabelecido. O funcionamento do crédito em um banco comunitário é assim como os demais pontos detalhados, uma questão de modelo e precisa garantir que o total de moeda em circulação não atinja um valor superior ao lastro coletivo cadastrado. Em um modelo de gestão colaborativa de uma moeda social tod@s podem emprestar para tod@s, ou até mesmo doar créditos sem necessariamente ter necessidade de retorno. Para isso basta realizar uma operação financeira neste sentido. Quem deseja um empréstimo do banco comunitário pode obter o mesmo ao consumir  produtos e serviços da rede, respeitando o seu nível máximo pessoal de endividamento. Após atingir este nível não é mais possível realizar operações até que a situação de crédito seja regularizada. 
 

Definindo coletivamente valores limites de acumulação e endividamento em moeda social e políticas adotadas nestes casos

Dentro de um processo de economia solidária é muito importante evitar acúmulo de capital por um grande período de tempo. Isso pode manter a moeda sem circular e fazer com que o banco precise colocar mais moeda em circulação para estimular as trocas e circulação de produtos locais. A solução para evitar o acúmulo é estabelecer um limite máximo de acúmulo de crédito para @s membr@s do processo econômico. Esta mesma lógica pode ser aplicada na questão do endividamento, evitando que alguém extrapole um limite possível de ser revertido. Outra solução é pensar em uma depreciação do valor acumulado, por exemplo se a cada três meses que um crédito completar sem movimentação financeira o mesmo se deprecia, o que motiva as pessoas a manter a economia circulando. Na plataforma CORAIS não existem ferramentas para depreciação temporal de um crédito social, apesar de que a hora e a data das transações financeiras são registradas e tornadas públicas, o que permite a implementação deste tipo de gatilho ou a operação manual deste tipo de depreciação pela equipe de gestão do banco comunitário. Em relação aos limites de máximo e mínimo o CORAIS permite estabelecer este tipo de limite para os membros do projeto e o sistema analisa o saldo do membro e estes limites antes de executar transações de pagamento, doação ou débito automático.
Precisa de ajuda?

Conhecimento

A Árvore do Conhecimento é um espaço para compartilhar e aprender sobre Design. Funciona como um wiki, ou seja, um texto colaborativo. Qualquer pessoa pode:

  • Adicionar novos Conhecimentos
  • Anexe arquivos em páginas para compartilha-los com outros.
  • Adicionar comentários e revisões
  • Arquivar conhecimentos que estão desatualizados ou incorretos